Information access

Sobre o Centro

O Centro Cultural Correios Rio de Janeiro está localizado na Rua Visconde de Itaboraí, 20, no centro da cidade. Integra o Corredor Cultural, tendo como vizinhos a Casa França Brasil, ao lado, e o Centro Cultural do Banco do Brasil, defronte.

Mais sobre o centro
O imóvel foi inaugurado em 1922. As linhas arquitetônicas da fachada, em estilo eclético, caracterizam o prédio do início do século, construído para sediar uma escola do Lloyd Brasileiro. Mas isto não ocorreu e o prédio foi utilizado, por mais de 50 anos, para funcionamento de unidades administrativas e operacionais dos Correios. Na década de 80, o imóvel foi desativado para reformas, sendo reaberto em 2 de junho de 1992, parcialmente restaurado, para receber a "Exposição Ecológica 92", evento integrante do calendário da Conferência das Nações Unidas sobre Meio Ambiente - RIO 92.

A inauguração oficial do Centro Cultural Correios aconteceu em agosto do ano seguinte, com a Exposição Mundial de Filatelia - Brasiliana 93. Desde então, o Centro Cultural Correios vem marcando a presença da instituição na cidade com promoção de eventos em áreas diversas, como teatro, vídeo, música, artes plásticas, cinema e demais atividades voltadas à integração da população carioca com formas variadas de expressão artística.

Suas instalações, adequadas à realização de diversificada programação, ocupam integralmente os 3.480m2 da área do prédio. O Centro Cultural Correios Rio de Janeiro é dotado de três pavimentos interligados por um elevador, também do início do século, de onde se pode ter uma visão panorâmica de todo o ambiente interno.

No andar térreo, está localizado o Teatro com 320 m² e capacidade para 200 pessoas.

Também no térreo há uma Galeria de Arte para pequenas mostras. No segundo e terceiro pavimentos, estão localizadas dez salas de exposições, com infra-estrutura e iluminação propícia a eventos de grande porte.

Ao fundo da Galeria de Arte está localizada a Agência JK, que oferece os serviços de Correios e de conveniência, com funcionamento de terça-feira a domingo, do meio-dia às 19 horas.

O Centro Cultural Correios dispõe também de um Bistrô, que funciona durante o horário de realização dos eventos.

A Praça dos Correios - uma área aproximada de 1,3 mil m² ao ar livre, com espelho d'água e suporte de uma concha acústica, que pode receber um público numeroso para eventos a céu aberto.

O Centro Cultural Correios, em média anual, recebe um público 400 mil visitantes e promove cerca de 50 eventos, com atrações variadas de teatro, música, dança, cinema e vídeo, além das exposições de diversos tipos de arte.

Confira as plantas baixas do Centro Cultural Correios no Rio de Janeiro



Mais informações sobre o espaço: unidadesculturais@correios.com.br

 

Programação

EXPOSIÇÕES

“Memórias do Esporte”

Única exibição audiovisual da programação cultural da Rio 2016 conta 120 anos de história da relação entre o cinema e o esporte internacional, brasileiro e olímpico no Centro Cultural Correios Rio de Janeiro.

 A partir do acervo da Federação Internacional de Cinema e Televisão Esportivos (FICTS), avalizada pelo Comitê Olímpico Nacional (COI), e de coleções brasileiras, os curadores J. C. Soares e J. J. Soares editaram 30 vídeos que compõem uma incursão por registros raros e inéditos de manifestações esportivas pelo mundo, de 1896 até hoje.

Os irmãos cineastas, que pesquisam há uma década a conexão do esporte com o cinema, também assinam as trilhas sonoras individualizadas. “[...] O esporte ofereceu ao cinema o que nenhum outro tema podia oferecer: a humanização da imagem. Assim, ao longo da história, diversos cineastas de várias partes do mundo lançaram o seu olhar sobre o esporte”, avaliam os curadores.

Em cada monitor (de 42”), tem como personagem principal uma modalidade esportiva. Às imagens inéditas foram acrescidas narrações sobre a história daquele esporte. Há ainda legendas ao lado de cada tela com mais informação e curiosidades. O filme mais antigo da exposição é um jogo de bocha em Lyon, França, de 1896, um dos primeiros realizados pelos irmãos Lumière, inventores do cinema.

Ainda dos irmãos Lumière, há o primeiro filme ficcional de esporte, uma comédia, com atores lutando boxe, de 1897, e outras raridades da memória do desporto, como esportes indígenas, a final do campeonato paulista de futebol de 1909 e os últimos dias do Derby Club, o templo do turfe, de 1925, onde hoje está o Maracanã.

A prosa poética esportiva de Armando Nogueira está presente com diversos trechos de seu livro “A Chama que não se Apaga” e com citações de pensadores e poetas como Jean-Jacques Rousseau, Walt Whitman, Jean Giraudoux e o romano Juvenal, autor de “Mens sana in corpore sano”, impressos nas paredes do espaço expositivo.

A linha do tempo que abarca, além de Olimpíadas, Copas do Mundo, Jogos Pan-Americanos e Jogos Olímpicos de Inverno é outra atração da mostra. O Brasil participa pela primeira vez de uma Olimpíada em 1920, na Antuérpia.

Sala Brasil: espaço exclusivo que reúne imagens preciosas, por exemplo, do tempo da Expedição Rondon à Amazônia, iniciada em 1910, destacando os esportes indígenas como a canoagem e o cabeçobol, um jogo de bola com a cabeça, praticado até hoje. O país ganha também uma linha do tempo própria. Em uma sala reservada estarão os registros mais recentes: as transmissões ao vivo de 16 canais da Sportv.

Paralimpíadas e o mundo: a exposição exibe ainda um longa metragem sobre as Paralimpíadas de Inverno de Sóchi, Rússia, de 2014, e uma seleção de filmes sobre esportes de 113 países em duas sessões diárias.

Serviço:
Exposição:
“Memórias do Esporte”
Abertura:
27 de julho, às 19h
Visitação:
até 25 de setembro, de terça-feira a domingo, das 12 às 19h – Grátis/Livre
Centro Cultural Correios - Rua Visconde de Itaboraí, 20 – Centro - Rio de Janeiro.
Telefone:
(21)2253-1580 (Recepção)
centroculturalrj@correios.com.br
Patrocínio:
Correios.
Co-patrocínio:
JW Marriott Rio de Janeiro e Secretaria de Cultura da Prefeitura do Rio.
Apoio:
SPORTV - com transmissões ao vivo de 16 canais.
Curadoria:
J. C. Soares e J. J. Soares
Produção:
Artepadilla.
Lançamento do catálogo da exposição: 20 de agosto, com distribuição gratuita e visita guiada pelos curadores. Entrada franca.


“Celebrar, Superação e Arte”

Atenas 

Selos contam a História do Esporte em Mostra inédita a partir do colecionismo.

A experiência esportiva é sempre marcada pela arte da entrega e da superação. A exposição Celebrar, Superação e Arte apresenta a história do esporte contada por meio dos selos. São 31 edições de jogos representadas na linha do tempo, sendo 28 jogos de verão e três edições de inverno. Além dos selos, o público também poderá apreciar objetos postais, cartas circuladas e não circuladas, carimbos e narrativas correlatas. São 151 cartelas de selos, datados entre 1896 e 2012, que formam uma linha temporal sobre a história do esporte. A coleção pertence a Roberto Gesta de Melo, maior colecionador particular de peças sobre esporte do mundo.

Para o colecionador, Roberto Gesta de Melo, a mostra é importante para o público, pois é comum, durante grandes eventos esportivos, a realização de exposições filatélicas relativas ao tema. “Recebi com satisfação o convite para exibir um conjunto de selos e material correlato. Por decisão pessoal, escolhi um misto de raridades, algumas das quais são peças únicas, ao lado de simples curiosidades ou de artefatos esteticamente atraentes, especialmente para crianças e jovens”, enfatiza.

Serviço:
Exposição:
“Celebrar, Superação e Arte”
Abertura:
27 de julho, às 19h
Visitação:
até 18 de setembro de 2016, de terça-feira a domingo, das 12 às 19h - GRÁTIS
Centro Cultural Correios - Rua Visconde de Itaboraí, 20 – Centro - Rio de Janeiro.
Telefone:
(21)2253-1580 (Recepção)
centroculturalrj@correios.com.br
Organização:
Cláudia Lopes.
Apoio:
Correios.


“OURO: Espírito e Natureza de um Território”

OURO: Espírito e Natureza de um Território 

A identidade colombiana em imagens do artista Pedro Ruiz.

A Exposição reúne 33 obras, em pequeno formato, com um tema que abrange os diferentes aspetos do território físico, cultural e social que fazem parte da identidade colombiana. As imagens representam barqueiros que levam paisagens, mas também seus povoados, suas casas, sua música, seus poemas, suas danças, suas imagens e seus monumentos. O Dourado é o marco de referência dentro do qual se desenvolve o trabalho do artista.

Pedro Ruiz propõe em sua obra um olhar reflexivo sobre a realidade colombiana, enfocando a violência de maneira diferente, atenuando sua influência para que, dessa forma, possa gerar um espaço que permita observar a mais profunda natureza colombiana. Uma nova proposta que convida o público a refletir sobre os vários valores que, ao longo dos séculos, permitiram formar uma nação.

A mostra faz parte do Programa de Promoção da Colômbia no Brasil do Ministério das Relações Exteriores da Colômbia. Desenvolvido pela Embaixada da Colômbia no Brasil, visa estreitar os laços dos dois países ao apresentar ao público brasileiro a produção e riqueza artística colombiana.

O artista estudou na Escola Nacional de Belas Artes de Paris e, posteriormente, foi agraciado com o título de Cavaleiro das Artes e Letras na França e sua obra já passou por vários países como México, Itália, Indonésia, Espanha, Japão e chega ao Rio de Janeiro, como uma forma de apresentar a história e cultura da Colômbia, que vai muito além dos conflitos e violência.

Serviço:
Exposição:
“Ouro: Espírito e Natureza de um Território”
Abertura:
27 de julho, às 19h.
Visitação:
até 25 de setembro de 2016, de terça-feira a domingo, das 12 às 19h - GRÁTIS
Centro Cultural Correios - Rua Visconde de Itaboraí, 20 – Centro - Rio de Janeiro.
Telefone:
(21)2253-1580 (Recepção)
centroculturalrj@correios.com.br
Apoio:
Correios.

MÚSICA

“Uma Rosa Para o Poeta”
HerminioBellodeCarvalho

Oito noites de música celebram a vida e obra de Hermínio Bello de Carvalho, no Centro Cultural Correios, no período de 14 e 24 de julho.

O projeto “Hermínio Bello de Carvalho, aos 80: Uma Rosa Para o Poeta” apresenta uma série de quatro shows temáticos e comemora 80 anos de vida do poeta, compositor e produtor cultural que, há 60 deles, se dedica à MPB. Oito intérpretes foram convidados para revisitar o cancioneiro de Hermínio. Alguns são amigos de vida inteira, outros buscam inspiração na sua música para cantar hoje.

O que se ouvirá em cada noite é um painel afetivo da obra do Hermínio Bello de Carvalho como letrista. Estão lá as suas paixões: o Rosa de Ouro, a Mangueira, as grandes cantoras, a devoção por Pixinguinha e Jacob do Bandolim e os parceiros que ele segue multiplicando a todo vapor. Em cada show, entram em cena dois intérpretes especialmente escolhidos em função dos repertórios.

Programação:
14 e 15 de julho (quinta e sexta), às 19h.
Rosas: de Ouro e da Mangueira - Marina Íris e Marcos Sacramento.
Este show tem como referência marcos do início da carreira de Hermínio: o espetáculo Rosa de Ouro, responsável por revelar Nelson Sargento, Elton Medeiros, Paulinho da Viola, Clementina de Jesus, e o Zicartola, polo cultural, gastronômico e musical, criado pelo compositor Cartola e sua mulher, Zica. No repertório, “Alvorada”, “Chão de esmeraldas”, “Cicatriz”, “Mudando de conversa”, “Pressentimento”, “Rosa de ouro”, “Sei lá, Mangueira”, entre outras.

16 e 17 de julho (sábado e domingo), às 19h.
As Divas do Poeta - Alaíde Costa e Áurea Martins.

O show é uma homenagem às mulheres que encantaram o poeta, além das parceiras, como Sueli Costa, Dona Ivone Lara, Simone e Joyce. As cantoras têm papel fundamental na carreira de Hermínio, cuja obra está imortalizada por interpretações inesquecíveis de Elizeth Cardoso, Zezé Gonzaga, Marlene e Alaíde Costa. No roteiro, entre outras, “Camarim”, “Cobras e lagartos”, “Fala baixinho”, “Mas quem disse que eu te esqueço”, “Monotonia” e “Sou apenas uma senhora que ainda canta”.

Dias 21 e 22 de julho (quinta e sexta), às 19h.
Choros e Amigos - Joyce Moreno e Zé Renato

O choro tem um lugar especial na obra de Hermínio. No show são homenageados os parceiros chorões: dos ídolos Pixinguinha e Jacob do Bandolim a aprendizes contemporâneos, como o violonista e arranjador Mauricio Carrilho. Também são lembrados os parceiros póstumos, como Chiquinha Gonzaga, João Pernambuco, Ernesto Nazareth e Heitor Villa-Lobos.
Repertório: “Amigo é casa”, “Atraente”, “Doce de coco”, “Escorregando”, “Estrada do sertão”, “Mulher faladeira”, “Noites cariocas”, “Prelúdio da solidão”e “Vou vivendo”.

Dias 23 e 24 de julho (sábado e domingo), às 19h.
Timoneiro de novos Parceiros e de Parceiros Novos - Gabi Buarque e Vidal Assis.

Incentivador de novos talentos, sem perder de vista a referência aos que abriam caminho no passado, Hermínio sempre esteve envolvido com iniciativas que permitissem ampliar o conhecimento sobre a música brasileira, renovando a sua força e afirmando a sua vitalidade. Este show destaca as parcerias com músicos de gerações mais jovens, como Vidal Assis, Lucas Porto, Fernando Temporão, Guilherme Sá e Kadu Mauad, além de parceiros marcantes, como o cantador paraense Vital Lima e o sambista carioca Moacyr Luz. No roteiro, “Meu vadio coração”, “O samba é minha nobreza”, “Pastores da noite”, “Quando o amor acaba”, “Penúltimo desejo” e “Timoneiro”.

Serviço:
“Hermínio Bello de Carvalho, aos 80 – Uma Rosa Para o Poeta”.
Período:
14 a 24 de julho de 2016, de quinta-feira a domingo, às 19h.
Centro Cultural Correios - Rua Visconde de Itaboraí, 20 – Centro - Rio de Janeiro.
Telefones:
(21)2219-5165 (Bilheteria); (21)2253-1580 (Recepção);
Ingressos:
R$ 20 (inteira) e R$ 10 (meia-entrada)
Classificação:
livre
Direção Musical:
Lucas Porto
Direção Artística:
Gustavo Guenzburger
Cenografia e Figurino:
Ney Madeira e Dani Vidal
Produção Executiva:
Sonia Machado
Coordenação Editorial:
Ana Claudia Souza
Coordenação de Produção:
Luiz Boal
Patrocínio:
Correios.

Centro Cultural Rio de Janeiro


Visitação:
Centro Cultural Correios
Rua Visconde de Itaboraí, 20 - Centro
Corredor Cultural
20010-976 - Rio de Janeiro - RJ
Telefone: 0XX 21 2253-1580
Fax: 0XX 21 2253-1545
E-mail:

Funcionamento:
O Centro Cultural Correios recebe visitantes de terça-feira a domingo, das 12 às 19h
Entrada franca.