Sobre o Espaço

O Espaço Cultural Correios Niterói funciona nas dependências do Palácio dos Correios, na Avenida Visconde do Rio Branco, 481, no Centro da cidade, em frente à estação das barcas

Mais sobre o espaço

O Palácio dos Correios de Niterói é resultado de vários fatores que impulsionaram a construção do prédio. O Decreto nº 7.653, de 11/11/1909, estabeleceu o novo Regulamento da organização, que tinha como uma das metas construir sedes novas dos Correios nas capitais dos Estados. 

Em Niterói a decisão pela construção de um novo prédio também foi influenciada pelo movimento de um grupo representativo da cidade que levou ao presidente da República, Hermes da Fonseca, um abaixo-assinado reivindicando que a cidade dispusesse de uma dependência com melhores condições para o funcionamento do correio. Até então o serviço era prestado num imóvel precário e pequeno, localizado ao lado da estação das barcas.

Na capital federal, Rio de Janeiro, após receber a representação niteroiense e avaliar o pedido, o presidente determinou que a União adquirisse um terreno nas imediações da estação das barcas e nele construísse um prédio próprio para ser correio. O terreno escolhido estava localizado do outro lado da via onde ficava o correio na época.

As plantas do prédio são datadas de 1910 e da autoria do arquiteto italiano Antônio Vannine. A obra foi realizada pela construtora Leopoldo Cunha e Cia. Em 14 de novembro de 1914 o prédio foi inaugurado. A imponência da construção, a altura do prédio comparada a dos imóveis do entorno e sua exuberância arquitetônica deu-lhe o título de Palácio dos Correios.

O Palácio sempre serviu para o funcionamento das repartições postais e telegráficas. Inclusive, a antiga sede da Diretoria Regional dos Correios do Estado do Rio de Janeiro. A partir de 2007, e por sete anos, o prédio ficou fechado para obras de reforma e restauro e a sua reabertura aconteceu em 21 de março de 2014, ano de comemoração do centenário do Palácio. No primeiro pavimento foi exibida a exposição “Aqui Mesmo – Niterói vista pelas lentes de Pedro Vasquez”, com 50 fotos de pontos conhecidos da cidade. O objetivo foi de apresentar ao público uma das atividades que seriam realizadas no prédio com a inauguração do Espaço Cultural.

Além da reforma completa da estrutura do prédio, houve o restauro de toda a fachada e de vários elementos dos ambientes internos, como portas, janelas, piso de madeira, escada central, corrimão etc. O investimento dos Correios foi à ordem de R$ 16 milhões.

Uma das salas, localizada no segundo pavimento, foi completamente restaurada. Nela o visitante pode apreciar as características originais do interior do prédio. Várias camadas de tinta foram retiradas até se chegar às cores e desenhos originais que ornamentam as partes inferior e superior das paredes e do teto. As portas de madeira são originais, bem como o piso de madeira Peroba.

Nessa sala histórica estão expostas duas plantas arquitetônicas, vários ladrilhos hidráulicos cujos modelos são encontrados nos pisos de circulação interna, alguns adornos da fachada e um conjunto de forma que produziram as escamas de cobre das cúpulas das torres do Palácio.

Espaço Cultural Correios

O Espaço Cultural foi criado no dia 14 de novembro de 2014, data do centenário do Palácio dos Correios. A inauguração foi marcada pela exposição “Djanira – cronista de ritos, pintora de costumes”, com a exibição de 120 obras da artista, pertencentes ao acervo do Museu Nacional de Belas Artes do Rio de Janeiro.

No primeiro pavimento do prédio o Espaço Cultural dispõe de duas salas de exposição e uma sala para oficinas. No segundo pavimento há mais quatro salas de exposição, a sala histórica e um auditório que possibilita a realização de eventos de música, humanidades, audiovisual e seminários.

Confira as plantas baixas do Espaço Cultural Correios de Niterói: Planta 01, Planta 02.

Programação: 

Exposições:

TERRITÓRIO DE PESCA E POESIA

LUIZ BHERING

Bhering realiza registros fotográficos poéticos e emocionantes, narrando as histórias, família e alegrias dos pescadores da Aldeia de Pescadores de Itaipu, Niterói. Em suas imagens, é mostrada a rica biodiversidade local, sua fauna e flora, bem como a convivência harmoniosa dos pescadores com o bioma.

 

SERVIÇO

“Território de pesca e poesia” – Luiz Bhering
Visitação: 07/11/2020 a 09/01/2021
De segunda a sábado, das 11h às 18h. Exceto feriados. A entrada é franca.
Espaço Cultural Correios Niterói - Av. Visconde do Rio Branco, 481, Centro – Niterói (em frente à estação das Barcas).

 

 

NOSSOS

ERICK COLLETTE



O trabalho do artista plástico francês radicado no Rio de Janeiro, Eric Collette, trata das questões intrínsecas do ser humano: a matéria da qual somos feitos. Collette busca questionar a essência do que nos constitui: somos feitos de nossos corpos mas também de nossas relações afetivas, do espaço ocupado por nós, nossos ancestrais e nossa contemporaneidade.

 SERVIÇO

“Nossos” – Eric Collette
Visitação: 14/11/2020 a 16/01/2021
De segunda a sábado, das 11h às 18h. Exceto feriados. A entrada é franca.
Espaço Cultural Correios Niterói - Av. Visconde do Rio Branco, 481, Centro – Niterói (em frente à estação das Barcas).

 

ALTERIDADE

JOÃO MOURA

A proposta do artista português João Moura é contrapor os dois seres presentes numa mostra artística: o "eu" do artista e o "outro" do espectador. Esta distinção entre o próprio ser e o ser do outro, alteridade, provoca o visitante a olhar com os seus próprios olhos e, ao mesmo tempo, com os olhos do outro.

 SERVIÇO

“Alteridade” – João Moura
Visitação: 14/11/2020 a 16/01/2021
De segunda a sábado, das 11h às 18h. Exceto feriados. A entrada é franca.
Espaço Cultural Correios Niterói - Av. Visconde do Rio Branco, 481, Centro – Niterói (em frente à estação das Barcas).

 

 

FINÍCIO - TODO FIM É UM COMEÇO

ALE MAIA E PÁDUA

A exposição surgiu da a experiência concreta vivida pelo artista niteroiense numa viagem que partiu do Rio de Janeiro em direção ao “Fin del Mundo”, como é conhecida a cidade mais austral do globo, Ushuaia, na Argentina. Suas obras têm como fio condutor o conceito de que “tudo se inicia a partir de um fim”.

 SERVIÇO

“Finício – todo fim é um início” – Alê Maia e Pádua
Visitação: 28/11/2020 a 30/01/2021
De segunda a sábado, das 11h às 18h. Exceto feriados. A entrada é franca.
Espaço Cultural Correios Niterói - Av. Visconde do Rio Branco, 481, Centro – Niterói (em frente à estação das Barcas).

  

OUTRO LADO

IRA ETZ


A mostra tem o propósito de promover questionamentos nas áreas da pintura e da fotografia. O objetivo de Ira Etz é apresentar suas experimentações com colagem e tratamento de imagem em laboratório.

 
SERVIÇO

“Outro lado” – Ira Etz
Visitação: Até 16/01
De segunda a sábado, das 11h às 18h. Exceto feriados. A entrada é franca.
Espaço Cultural Correios Niterói - Av. Visconde do Rio Branco, 481, Centro – Niterói (em frente à estação das Barcas).

 

DEZ AO CUBO - LUGAR DE AFETOS

Com curadoria de Oswaldo Carvalho, a coletiva faz investigações estéticas em torno do elementos geométrico "cubo". Os ecos dessas investigações podem ser ouvidos nos trabalhos expostos, não apenas pelo quanto que se aproximam formalmente de um cubo, mas pelo que projetam para além de suas fronteiras.

 

SERVIÇO

“Dez ao cubo – lugar de afetos” – Curadoria Oswaldo Carvalho
Visitação: Até 23/01/2021
De segunda a sábado, das 11h às 18h. Exceto feriados. A entrada é franca.
Espaço Cultural Correios Niterói - Av. Visconde do Rio Branco, 481, Centro – Niterói (em frente à estação das Barcas).


Espaço Cultural Niterói

Localização:
Espaço Cultural Correios
Av. Visconde do Rio Brando, 481 - Centro
24020-004 - Niterói - RJ
Telefone: 0XX 21 2503-8550/8560
e-mail: rjeccniteroi@correios.com.br

Visitação:
De segunda-feira a sábado, das 11h às18h (exceto feriados).
Entrada franca.