Portal dos Correios

Sobre o Centro

O Centro Cultural Correios Rio de Janeiro está localizado na Rua Visconde de Itaboraí, 20, no centro da cidade. Integra o Corredor Cultural, tendo como vizinhos a Casa França Brasil, ao lado, e o Centro Cultural do Banco do Brasil, defronte.

Mais sobre o centro
O imóvel foi inaugurado em 1922. As linhas arquitetônicas da fachada, em estilo eclético, caracterizam o prédio do início do século, construído para sediar uma escola do Lloyd Brasileiro. Mas isto não ocorreu e o prédio foi utilizado, por mais de 50 anos, para funcionamento de unidades administrativas e operacionais dos Correios. Na década de 80, o imóvel foi desativado para reformas, sendo reaberto em 2 de junho de 1992, parcialmente restaurado, para receber a "Exposição Ecológica 92", evento integrante do calendário da Conferência das Nações Unidas sobre Meio Ambiente - RIO 92.

A inauguração oficial do Centro Cultural Correios aconteceu em agosto do ano seguinte, com a Exposição Mundial de Filatelia - Brasiliana 93. Desde então, o Centro Cultural Correios vem marcando a presença da instituição na cidade com promoção de eventos em áreas diversas, como teatro, vídeo, música, artes plásticas, cinema e demais atividades voltadas à integração da população carioca com formas variadas de expressão artística.

Suas instalações, adequadas à realização de diversificada programação, ocupam integralmente os 3.480m2 da área do prédio. O Centro Cultural Correios Rio de Janeiro é dotado de três pavimentos interligados por um elevador, também do início do século, de onde se pode ter uma visão panorâmica de todo o ambiente interno.

No andar térreo, está localizado o Teatro com 320 m² e capacidade para 200 pessoas.

Também no térreo há uma Galeria de Arte para pequenas mostras. No segundo e terceiro pavimentos, estão localizadas dez salas de exposições, com infra-estrutura e iluminação propícia a eventos de grande porte.

Ao fundo da Galeria de Arte está localizada a Agência JK, que oferece os serviços de Correios e de conveniência, com funcionamento de terça-feira a domingo, do meio-dia às 19 horas.

O Centro Cultural Correios dispõe também de um Bistrô, que funciona durante o horário de realização dos eventos.

A Praça dos Correios - uma área aproximada de 1,3 mil m² ao ar livre, com espelho d'água e suporte de uma concha acústica, que pode receber um público numeroso para eventos a céu aberto.

O Centro Cultural Correios, em média anual, recebe um público 400 mil visitantes e promove cerca de 50 eventos, com atrações variadas de teatro, música, dança, cinema e vídeo, além das exposições de diversos tipos de arte.

Confira as plantas baixas do Centro Cultural Correios no Rio de Janeiro



Programação
EXPOSIÇÕES

“Sobrevoo” – Marcos Amaro

Aviões desconstruídos viram esculturas pelas mãos do artista Marcos Amaro

A partir do dia 4 de maio será possível conhecer um pouco mais do trabalho do artista multimídia Marcos Amaro no Centro Cultural dos Correios, no Rio de Janeiro. O paulistano apresenta cerca de 40 obras de médias e grandes dimensões na individual Sobrevoo, composta de esculturas e assemblages (colagens com objetos e materiais tridimensionais), com curadoria de Ricardo Resende. “Desmonte, acúmulo e colagem” são a base do processo de criação das obras de Amaro, “um inventor que tem gosto de reinventar as coisas”, nas palavras do curador. O artista tem realizado exibições de suas esculturas e obras em diversos suportes ao longo dos últimos anos em grandes feiras nacionais e internacionais. A entrada é gratuita e a exposição segue em cartaz até 24 de junho.

Aviões desconstruídos e transformados em esculturas são a principal matéria-prima das criações apresentadas, quase todas recentes e nunca antes exibidas. Além dos pedaços de aeronaves, rígidos, tecidos surgem nos seus interstícios, trazendo um contraponto de suavidade e explicitando substratos de memória que ecoam no trabalho do artista: apaixonado por aviação, Amaro (que já pilotou e tem brevê) é filho de um aviador e de uma estilista. Mas a memória e acúmulo de materiais, muitas vezes retirados de outros objetos, deslocados e ressignificados, caso de pneus, turbinas e asas, são uma espécie de paixão pela aviação às avessas, como explica o curador. Nada ali é feito para voar novamente, destaca Ricardo Resende, e os pedaços de avião e outros materiais descartados, usados e envelhecidos, como feltro, madeira, ferro, plástico, pneu, cano, corda, skate, lâmpada fluorescente, água, colchão, aparelho de televisão, intercalados com amarrações e soldas, se transformam “em um amontoado de coisas organizadas, sem deixar de evidenciar o equilíbrio precário das peças, esculturas e instalações em seu estado bruto”, diz no texto da exposição.

Para Resende, as obras, de médias e grandes dimensões - chegam a ter mais de quatro metros de largura e cinco metros de altura, em alguns casos – resultam de “partes combinadas que constroem formas inusitadas, as quais, de tão reais, ainda exalam cheiros, mesmo que eles já não existam mais nos restos do avião. Sente-se no ar o odor da querosene, do óleo queimado das turbinas, da poeira acumulada nos feltros e lonas que faz uso para criar suas ‘pinturas’ e esculturas matéricas”.

Resende destaca a presença da paixão e morte presentes no trabalho com as carcaças de aviões. “Mas o que faz, estranhamente, é dar sobrevida com afeto a estas máquinas agora inúteis, que foram voadoras algum dia”, pontua.

O artista participou de diversas feiras nos últimos anos, entre as principais do país e do mundo. SP-Arte, Context NY, além de ter exibido na Scope Basel, na Suíça, feira paralela à Art Basel, Zurich Art Fair são apenas algumas delas.  Neste mês, o artista expõe obras de pequenas dimensões na Galeria Luis Maluf e desenhos no Clube Atlético Paulistano, em São Paulo.

Sobre Marcos Amaro

Marcos Amaro (1984) é artista, colecionador, empresário e reside em Bruxelas. Estudou filosofia – base intelectual fundamental no processo de pesquisa que antecede a produção artística. Desenvolve suas obras, predominantemente, com objetos aeronáuticos de grande e média proporção. A matéria em estado bruto, a descontextualização, o precário e a desconstrução são as características do seu pensamento poético. Colecionador, em 2012 cria a Fundação Marcos Amaro – FMA, com o intuito de dar acesso à sua coleção particular e à produção contemporânea de arte. Com esse mesmo objetivo, o artista está à frente do Museu da Escultura Contemporânea Latino-Americana (MESCLA) – projeto que se desenvolve a fim de tornar-se um espaço físico poético e sustentável na cidade de Itu e no campo adjacente ao centro urbano, composto por Salto e Sorocaba.

Sobre Ricardo Resende

Mestre em História da Arte pela Escola de Comunicações e Artes da Universidade de São Paulo (USP), trabalhou de 1988 a 2002 entre o Museu de Arte Contemporânea da Universidade de São Paulo (MAC-USP) e o Museu de Arte Moderna de São Paulo (MAM-SP). Foi curador do Projeto Leonilson. Foi diretor do Museu de Arte Contemporânea do Centro Cultural Dragão do Mar de Arte e Cultura, em Fortaleza e diretor do Centro de Artes Visuais da Fundação Nacional das Artes (Funarte). Na sequência, do Centro Cultural São Paulo (CCSP). Em 2011 organizou três grandes mostras: a retrospectiva do artista Leonilson - sob o Peso dos Meus Amores, no Itaú Cultural, em São Paulo; a retrospectiva do artista cearense Sérvulo Esmeraldo, na Pinacoteca do Estado de São Paulo e a Mostra Arte Pará Ano 30, em Belém do Pará. Em 2013 organizou a I FotoBienalMASP. Em 2014, foi curador do Museu Bispo do Rosário, no Rio de Janeiro. Em 2017, assumiu a curadoria da Fundação Marcos Amaro.

Serviço
Exposição: “SOBREVOO”
Abertura: 04 de maio, às 19h 
Visitação: até 24 de junho de 2018, de terça-feira a domingo, das 12h às 19h – GRÁTIS
Centro Cultural Correios - Rua Visconde de Itaboraí, 20 – Centro - Rio de Janeiro. 
Telefone: (21) 2253-1580 (Recepção)
centroculturalrj@correios.com.br


GANDHI

Exposição em memória aos 70 anos da morte de Mahatma Gandhi

A exposição foi exibida na Embaixada da Índia em Brasília pela primeira vez no Brasil, trata-se de uma mostra fotográfica e informativa, desenvolvida pelo Gandhi Smriti and Darshan Samiti - um dos maiores museus de Gandhi, que possui uma biblioteca onde são mantidos cerca de 60.000 livros e cerca de 6000 fotos originais preservadas. As fotografias desta exposição fazem parte deste maravilhoso acervo. Em 2018, memora-se a figura de Mahatma Gandhi, após 70 anos de seu assassinato em 1948. Mahtma Gandhi significa “Grande Alma”. Ele Desenvolveu uma forma de ação baseada nos princípios da coragem, da não-violência e da verdade, que chamou de satyagraha ("verdade-força" ou "resistência não-violenta").

Serviço:
Exposição: “GANDHI”
Abertura: 04 de maio, às 19h 
Visitação: Até 02 de junho de 2018, de terça-feira a domingo, das 12h às 19h – GRÁTIS
Centro Cultural Correios - Rua Visconde de Itaboraí, 20 – Centro - Rio de Janeiro. 
Telefone: (21) 2253-1580 (Recepção)
centroculturalrj@correios.com.br


“VELHA GOA”

E reproduções fotográficas das igrejas e conventos classificados como patrimônio da humanidade pela UNESCO

A influência da religião católica é devida ao domínio de Portugal na região por mais de 400 anos.

Goa, a partir de 1510, foi a capital do Estado Português da Índia, tendo sido integrada à Índia, após ser tomada pelo exército indiano em 1961 derrotando as forças militares portuguesas presentes.

A exposição é inédita no Rio de Janeiro e pertence ao acervo da Embaixada da Índia no Brasil.

Serviço:
Exposição: “VELHA GOA”
Abertura: 04 de maio, às 19h 
Visitação: Até 20 de junho de 2018, de terça-feira a domingo, das 12h às 19h – GRÁTIS
Centro Cultural Correios - Rua Visconde de Itaboraí, 20 – Centro - Rio de Janeiro. 
Telefone: (21) 2253-1580 (Recepção)
centroculturalrj@correios.com.br


“VILLA NOS CORREIOS”

Centro Cultural Correios realiza temporada musical com a Escola de Música Villa-Lobos

O Centro Cultural Correios estreia uma nova temporada musical no seu teatro. Desta vez, a atração é a Escola de Música Villa-Lobos, que leva seus grupos para apresentações no período de 05 de maio a 24 de junho, de sexta a domingo, sempre às 19 horas.

São quatro grupos compostos por professores e alunos que irão tocar repertórios variados que vão do choro ao jazz, passando por homenagem a Milton Nascimento até performances instrumentais de altíssimo nível.

Conhecida como um centro de referência no ensino da música, a Escola de Música Villa-Lobos fundamenta-se em intensas práticas de conjunto de seus alunos.

O Coro de Câmara da Escola de Música Villa-Lobos mostra o repertório de sucesso de seu espetáculo "Bitucanto", em homenagem a Milton Nascimento, apenas com canções do aclamado compositor mineiro. A regência é do maestro e professor José d´Assumpção.

O Grupo Chorando Baixinho aproveita a comemoração de seus 20 anos completados em 2018 para mostrar um repertório com o melhor do choro, este estilo genuinamente nacional. Não irão faltar músicas de Pixinguinha, Jacob do Bandolim, Waldir Azevedo, dentre outros. A direção é do professor e clarinetista Genivaldo Soares.

Também se apresenta o Quinteto Brasil Total, banda que resultou de exaustivos ensaios com alunos que integravam a banda Jazz Total, um dos grupos representativos da Escola de Música Villa-Lobos. O repertório é cheio de canções típicas de nosso país, como "Falsa Baiana", de João Gilberto, "Bêbado e Equilibrista", de João Bosco e Aldir Blanc, "Água de beber", de Tom Jobim, dentre outros. A regência é do maestro e professor Jorge Éder.

Por fim, o grupo BossAndJazz reúne professores experientes na noite carioca e leva um repertório instrumental de bossa nova e jazz com muita performance técnica e virtuosa. A direção é do professor e tecladista Anderson Cardozo.

Programação

Maio
DataDiaGrupoGênero/repertório

5

Sábado

Chorando Baixinho

Choro

6

Domingo

Quinteto Brasil Total

Samba Jazz

11

Sexta

BossAndJazz

Bossa nova e Jazz

12

Sábado

Chorando Baixinho

Choro

13

Domingo

Quinteto Brasil Total

Samba Jazz

18

Sexta

BossAndJazz

Bossa nova e Jazz

19

Sábado

Chorando Baixinho

Choro

20

Domingo

Quinteto Brasil Total

Samba Jazz

25

Sexta

Chorando Baixinho

Choro

26

Sábado

Quinteto Brasil Total

Samba Jazz

27

Domingo

Quinteto Brasil Total

Samba Jazz


Junho
DataDiaGrupoGênero/repertório

1

Sexta

Chorando Baixinho

Choro

2

Sábado

Quinteto Brasil Total

Samba Jazz

3

Domingo

Quinteto Brasil Total

Samba Jazz

8

Sexta

Quinteto Brasil Total

Samba Jazz

9

Sábado

Chorando Baixinho

Choro

10

Domingo

Chorando Baixinho

Choro

15

Sexta

Quinteto Brasil Total

Samba Jazz

16

Sábado

Coro de Câmara da Escola de Música Villa-Lobos

Milton Nascimento

17

Domingo

Coro de Câmara da Escola de Música Villa-Lobos

Milton Nascimento

22

Sexta

Coro de Câmara da Escola de Música Villa-Lobos

Milton Nascimento

23

Sábado

Coro de Câmara da Escola de Música Villa-Lobos

Milton Nascimento

24

Domingo

Chorando Baixinho

Choro

Serviço:
Espetáculo musical: Villa nos Correios
Temporada: De 05 de maio a 24 de junho de 2018 - de quinta-feira a domingo, às 19h
Local: Teatro Centro Cultural Correios - Rua Visconde de Itaboraí, 20 - Centro - Rio de Janeiro/RJ Capacidade: 200 lugares 
Ingressos: R$ 30,00 (Inteira) e R$ 15,00 (meia) 
Bilheteria: de quinta-feira a domingo, das 15h às 19h 
Telefone: (21) 2253-1580 (Recepção) 
centroculturalrj@correios.com.br
Realização:

Secretaria de Estado de Cultura
FUNARJ
Escola de Música Villa-Lobos



AR
Patricia Secco injeta oxigênio na arte.

O AR como fonte de inspiração.
O AR como elemento catalisador das artes plásticas.
O AR matéria e substância.
É assim que a artista Patrícia Secco apresenta a exposição “AR” no Centro Cultural Correios a partir de 5 de abril.
A mostra é composta de duas partes. Em uma sala, chamada “REVOADA”, estão telas/pipas, inventadas por ela, remetendo a uma infância bem carioca na praia. Essas telas fora dão a ideia que vão voar na parede, ou penduradas como móbiles, trazem frescor ao ambiente.
Pendurada na fachada do CCC uma pipa de 3 metros dá as boas-vindas aos visitantes.
Na outra sala, uma instalação, chamada “METAMORFOSE”, na qual o ciclo da borboleta revela o processo de renovação da vida. Essa instalação foi toda produzida pela artista com material reciclado.
No vernissage, na sala “Revoada”, haverá o show ao vivo do saxofonista Leo Gandelman.

CARVÃO
Exposição e site specif ousados causam impacto no Centro Cultural Correios.

A mostra “Carvão”, do artista plástico carioca Dudu Garcia, utiliza esta matéria-prima como elemento pictórico em duas salas expositivas no terceiro andar: de um lado, quadros em trípticos e dípticos de grandes dimensões nas quais o carvão e a iluminação especial criam relevos e superfícies; de outro, uma instalação de grande magnitude, na qual todo o piso é recoberto de carvão, com iluminação especial pontual, paredes pintadas de preto e sound design.

FERRO
Instalação com banheira decomposta e escultas de ferro que mais parecem origamis na exposição de Richardo Hacchia.

Ricardo Hacchia cria uma explosão de formas em sua individual no Centro Cultural Correios. Em sua procura por estruturas mais complexas, o artista decompõe a forma de uma banheira para criar peças com múltiplas curvaturas e ocupações do espaço.  
Em suas esculturas, ele cria painéis de ferro únicos em seus cortes, que compõem um cenário maior, onde as linhas continuam para além dos horizonte, e cada peça é essencial para a concretização do todo.
Hacchia também cria totens, tais como origamis, que mostram como o ferro pode se dobrar pela arte, relacionando-se com a leveza e a maleabilidade do papel, explorando a tridimensionalidade.  

SERES
Fotógrafo Jaime Accioly dá vida a seres que só existem pelo olhar.

SERES tem como inspiração o trabalho “ Art Forms in Nature” do fotógrafo alemão Karl Blossfeldt.
O que o artista visual Jaime Accioly pretende com este trabalho é, além de estudar as magníficas formas da natureza, tratar cada planta fotografada como um ser e não simplesmente como forma, utilizando de modo lúdico as escalas de proporção.
Jaime Accioly fotografa com técnicas de iluminação de retratos (portrait) detalhes de plantas com cerca de 5 cm e as amplia, em média, vinte vezes.
O resultado é um conjunto de seres minúsculos, muitas vezes não vistos pela maioria das pessoas, ampliados para a dimensão humana e com a altivez de um ser retratado.
A mostra é uma forma de aproximar universos conectados, possuidores de organicidade e unicidade. Seu objetivo é a criação de um repertório de imagens que sirva tanto como ferramenta para a construção de novas formas como para, via mimese, trazer a perspectiva abstrata de formas, corpos e tensões.
Na exposição, destaca-se a organicidade cíclica dos fenômenos, em que a aceitação da complexidade é a aceitação de um novo alfabeto visual.
Assim, o fotógrafo, voltado para a identidade de formas e figuras convencionais, descobre novas posições e perspectivas, estabelecendo uma sintaxe entre os seres vegetais e os seres animais.


Serviço:
EXPOSIÇÕES: “AR” / “CARVÃO” / “FERRO” / “SERES”
Abertura: 04 de abril, às 19h
Visitação: até 27 de maio de 2018, de terça-feira a domingo, das 12h às 19h – GRÁTIS
Centro Cultural Correios - Rua Visconde de Itaboraí, 20 – Centro - Rio de Janeiro.
Telefone: (21) 2253-1580 (Recepção)
centroculturalrj@correios.com.br


I Festival de Cinema Indiano – de 23/03 a 15/04/18

O Centro Cultural Correios traz um vasto panorama do melhor de Bollywood. Do sucesso “Quem quer ser um milionário (Slumdog Millionaire)”, com o astro Dev Patel, ao humor rasgado de “3 idiots”. Da comédia romântica “Salaam | Namaste” ao tocante “Somos todos diferentes“ (Taare Zameen Par)”, com interpretação de Darsheel Safary, de apenas 8 anos.

De 23 de março a 15 de abril, de terça a domingo, sempre às 12h30. Entrada franca. Sujeito a lotação do espaço (50 lugares).

A programação inicia-se no dia 23/03 (sexta-feira) com “Quem quer ser um milionário”. Direção: Danny Boyle. O filme vencedor de 8 Oscar conta a história de Jamal Malik, de 18 anos, um rapaz órfão dos subúrbios de Mumbai. Ele está apenas a uma questão de ganhar um prêmio surpreendente de 20 milhões de rupias no programa "Quem quer ser um milionário?" da Índia. Com Dev Patel.

No dia 24/03 (sábado) será a vez de “Phir Hear Pheri”. Direção: Neeraj Vora. Se prepare para um ataque de risos ao ver muitos desastres causados por um trio com fome de dinheiro, mas de bom coração. Sem sorte, o trio é preso em uma de suas façanhas e envolve um monte de gente, incluindo bandidos, que estavam dispostos a saqueá-los também. O filme é uma adaptação de “Jogos, Trapaças e Dois Canos Fumegantes” (1998), de Guy Ritchie.

E fechando a primeira semana, no dia 25/03 (domingo), será exibido “Salam Namaste”. Direção: Siddharth Anand. Ele é um Chef; Ela é uma radio-jokey. Eles são jovens, legais, independentes – e juntos eles formam o melhor casal.  Cercados por amigos peculiares, patrões e empresários, mas longe de casa, Nick e Ambar dão um enorme salto de fé quando decidem se mudar. E agora eles devem seguir na ponta dos pés para se conhecerem.

Programação:

DIA FILME
23/03 - SEXTA SLUMDOG MILLIONAIRE
24/03 - SÁBADO PHIR HEAR PHERI
25/03 - DOMINGO SALAM NAMASTE
27/03 - TERÇA FANAA
28/03 - QUARTA BLUFFMASTER
29/03 - QUINTA DIWALE DULHANIA LE JAYENGE
30/03 - SEXTA 3 IDIOTS
31/03 - SÁBADO TAARE LAMEEN
01/04 - DOMINGO AAJ MACHLE
03/04 - TERÇA SLUMDOG MILLIONAIRE
04/04 - QUARTA FANAA 
05/04 - QUINTA SALAAM | NAMASTE
06/04 - SEXTA PHIR HEAR PHERI
07/04 - SÁBADO 3 IDIOTS 
08/04 - DOMINGO DIWALE DULHANIA LE JAYENGE
10/04 - TERÇA BLUFFMASTER
11/04 - QUARTA TAARE LAMEN
12/04 - QUINTA FANAA
13/04 - SEXTA DIWALE DULHANIA LE JAYENGE
14/04 - SÁBADO 3 IDIOTS 
15/04 - DOMINGO SLUMDOG MILLIONAIRE
Serviço:
Abertura: de 23 de março (sexta-feira) até 15/04. Sessões às 12h30.
Centro Cultural Correios - Rua Visconde de Itaboraí, 20 – Centro - Rio de Janeiro.
Telefone: (21) 2253-1580 (Recepção)
Centro Cultural Rio de Janeiro


Visitação:
Centro Cultural Correios
Rua Visconde de Itaboraí, 20 - Centro
Corredor Cultural
20010-976 - Rio de Janeiro - RJ
Telefone: 0XX 21 2253-1580
Fax: 0XX 21 2253-1545
E-mail:

Funcionamento:
O Centro Cultural Correios recebe visitantes de terça-feira a domingo, das 12 às 19h
Entrada franca.