Serviços O conteúdo desse portal pode ser acessível em Libras usando o VLibras

Sobre o Espaço

O Espaço Cultural Correios Niterói funciona nas dependências do Palácio dos Correios, na Avenida Visconde do Rio Branco, 481, no Centro da cidade, em frente à estação das barcas

Mais sobre o espaço

O Palácio dos Correios de Niterói é resultado de vários fatores que impulsionaram a construção do prédio. O Decreto nº 7.653, de 11/11/1909, estabeleceu o novo Regulamento da organização, que tinha como uma das metas construir sedes novas dos Correios nas capitais dos Estados. 

Em Niterói a decisão pela construção de um novo prédio também foi influenciada pelo movimento de um grupo representativo da cidade que levou ao presidente da República, Hermes da Fonseca, um abaixo-assinado reivindicando que a cidade dispusesse de uma dependência com melhores condições para o funcionamento do correio. Até então o serviço era prestado num imóvel precário e pequeno, localizado ao lado da estação das barcas.

Na capital federal, Rio de Janeiro, após receber a representação niteroiense e avaliar o pedido, o presidente determinou que a União adquirisse um terreno nas imediações da estação das barcas e nele construísse um prédio próprio para ser correio. O terreno escolhido estava localizado do outro lado da via onde ficava o correio na época.

As plantas do prédio são datadas de 1910 e da autoria do arquiteto italiano Antônio Vannine. A obra foi realizada pela construtora Leopoldo Cunha e Cia. Em 14 de novembro de 1914 o prédio foi inaugurado. A imponência da construção, a altura do prédio comparada a dos imóveis do entorno e sua exuberância arquitetônica deu-lhe o título de Palácio dos Correios.

O Palácio sempre serviu para o funcionamento das repartições postais e telegráficas. Inclusive, a antiga sede da Diretoria Regional dos Correios do Estado do Rio de Janeiro. A partir de 2007, e por sete anos, o prédio ficou fechado para obras de reforma e restauro e a sua reabertura aconteceu em 21 de março de 2014, ano de comemoração do centenário do Palácio. No primeiro pavimento foi exibida a exposição “Aqui Mesmo – Niterói vista pelas lentes de Pedro Vasquez”, com 50 fotos de pontos conhecidos da cidade. O objetivo foi de apresentar ao público uma das atividades que seriam realizadas no prédio com a inauguração do Espaço Cultural.

Além da reforma completa da estrutura do prédio, houve o restauro de toda a fachada e de vários elementos dos ambientes internos, como portas, janelas, piso de madeira, escada central, corrimão etc. O investimento dos Correios foi à ordem de R$ 16 milhões.

Uma das salas, localizada no segundo pavimento, foi completamente restaurada. Nela o visitante pode apreciar as características originais do interior do prédio. Várias camadas de tinta foram retiradas até se chegar às cores e desenhos originais que ornamentam as partes inferior e superior das paredes e do teto. As portas de madeira são originais, bem como o piso de madeira Peroba.

Nessa sala histórica estão expostas duas plantas arquitetônicas, vários ladrilhos hidráulicos cujos modelos são encontrados nos pisos de circulação interna, alguns adornos da fachada e um conjunto de forma que produziram as escamas de cobre das cúpulas das torres do Palácio.

Espaço Cultural Correios

O Espaço Cultural foi criado no dia 14 de novembro de 2014, data do centenário do Palácio dos Correios. A inauguração foi marcada pela exposição “Djanira – cronista de ritos, pintora de costumes”, com a exibição de 120 obras da artista, pertencentes ao acervo do Museu Nacional de Belas Artes do Rio de Janeiro.

No primeiro pavimento do prédio o Espaço Cultural dispõe de duas salas de exposição e uma sala para oficinas. No segundo pavimento há mais quatro salas de exposição, a sala histórica e um auditório que possibilita a realização de eventos de música, humanidades, audiovisual e seminários.

Confira as plantas baixas do Espaço Cultural Correios de Niterói: Planta 01, Planta 02.

 

Programação

EXPOSIÇÕES

PRIMAVERA NA FOTOGRAFIA

Exposição #PrimaveraNaFotografia revela novos da talentos.

A exposição #PrimaveraNaFotografia entra em cartaz no Espaço Cultural Correios Niterói e traz as imagens clicadas pelas alunas e alunos do curso com o mesmo nome, ministrado por Vitor Vogel, professor de fotografia e fotodocumentarista. Com abertura neste sábado, 20 de janeiro, às 16h, com entrada franca. A mostra poderá ser visitada até 24 de fevereiro. Na sala ao lado também entra em cartaz a exposição Cenas Poéticas - Uma Memória Visual do Corujão da Poesia, também de Vitor Vogel.

A exposição é a celebração de um ciclo na fotografia. Com aulas, saídas práticas, visitas em exposições e sessões de orientações, ele se iniciou em 30 de setembro e se estendeu até 16 de dezembro. Ao longo do curso, foram desenvolvidos projetos autorais pelos estudantes. Com curadoria de Vitor Vogel serão apresentadas na exposição as melhores fotos de cada aluno.

Os temas autorais variam das texturas do cotidiano aos padrões, curvas, retas e silhuetas das arquiteturas niteroienses. Muitos dos trabalhos retratam a miríade de possibilidades do ser e estar niteroiense nos mais diversos locais e tempos. Em resumo, um caleidoscópio colorido dos primeiros passos de jovens fotógrafas e fotógrafos nesta linguagem tão dinâmica e aberta

O curso foi realizado em parceria o Grupo Diversidade Niterói, a ANF - Agência de Notícias das Favelas.

Serviço:
Exposição: Primavera na Fotografia
Abertura: 20 de janeiro, 16h
Visitação: de 20 janeiro até 24 de fevereiro.
                  de segunda-feira a sábado, das 11h às 18h - exceto feriado
Local: Espaço Cultural dos Correios de Niterói
            Av. Visconde do Rio Branco, 481 - Centro, Niterói - RJ


Cenas Poéticas

Exposição fotográfica revela a riqueza da poesia e seus saraus

O Espaço Cultural Correios Niterói recebe a exposição "Cenas Poéticas", que reúne algumas das melhores imagens produzidas pelo fotógrafo Vitor Vogel nos saraus do Corujão da Poesia - Universo da Leitura, entre os anos de 2009 e 2014. A abertura da exposição traz um sarau marcado para sábado, 20 de janeiro, às 16h. A mostra ficará disponível até 24 de fevereiro, com entrada gratuita.

Passando por detalhes, planos abertos e principalmente retratos, as fotos apresentadas formam uma síntese das inúmeras apresentações em cinco anos de foto-documentação.

Corujão da Poesia

O Corujão da Poesia - Universo da Leitura é a única vigília semanal de poesia, literatura e música de toda a América. Com o microfone aberto para poemas, canções, performances e libertações de livros, o Corujão é uma oficina aberta para quem quiser se expressar.

A principal finalidade do movimento é arrecadar livros para libertação e construção de bibliotecas solidárias em pontos de extrema necessidade do estado do Rio de Janeiro. Os encontros acontecem semanalmente em Copacabana, quinzenalmente em Niterói e mensalmente em São Gonçalo.

Vitor Vogel

Historiador por formação e fotógrafo por ofício, nasceu em Petrópolis e descobriu a fotografia ao radicar-se em Niterói, Rio de Janeiro. Encontrou a poesia nos saraus cariocas e na aparente simplicidade: preto-e-branco, resignificou as imagens dos poetas em ricos textos visuais.

Iniciou seus estudos na fotografia como autodidata e posteriormente como monitor nas disciplinas de fotografia na Universidade Federal Fluminense (UFF), instituição na qual se bacharelou e se licenciou em História.

Atuou como professor substituto de fotografia no Colégio de Aplicação da Universidade do Estado do Rio de Janeiro - CAP-UERJ, Instrutor nos cursos da área de fotografia do Serviço Nacional de Aprendizagem do Comércio – SENAC, também bolsista no projeto "São Tomé e Príncipe Plural: Sua Gente, Sua História, Seu Futuro – Ações Programáticas em Comunicação e Cultura”, programa de auxílio técnico científico entre o Brasil e a nação africana. Foi editor da rede de fotografia do Circuito Universitário de Cultura e Arte da UNE - CUCA da UNE entre novembro de 2015 e abril de 2017 e Coordenador de Comunicação do Teatro Popular Oscar Niemeyer em Niterói.

Atualmente é fotógrafo residente no Corujão da Poesia e da Música em Copacabana, Niterói e São Gonçalo desde 2009, consultor da Agência de Notícias das Favelas para a formação do coletivo de fotografia, professor no curso #PrimaveraNaFotografia e permanece com as atividades freelancer, editoração, curadoria e pesquisa na história social da fotografia.

Serviço
Cenas Poéticas - Uma Compilação da Memória Visual do Corujão da Poesia
Espaço Cultural dos Correios de Niterói
Av. Visconde do Rio Branco, 481 - Centro, Niterói - RJ
Abertura: 20 de janeiro de 2018 - 16h
Visitação: de 20 janeiro até 24 de fevereiro. De segunda-feira a sábado, das 11h às 18h - exceto feriado

 

A PRESENÇA IMIGRANTE EM SÃO GONÇALO

Destaca a presença imigrante no município de São Gonçalo, que é o terceiro município em número de imigrantes residentes. Esse novo olhar sobre a cidade, visa apresentar os diferentes costumes e histórias. Cada imigrante tem uma trajetória distinta, porém se assemelha na tentativa de encontrar no Brasil, e mais especificamente em São Gonçalo, a oportunidade de (re)construírem suas vidas.

Segundo o IBGE de 2010, São Gonçalo é o terceiro município em número de imigrantes residentes, com destaque para os portugueses. Esse enfoque busca evidenciar a diversidade cultural da cidade. Todos os dias centenas de cidadão circulam pelas ruas do município. A pressa que marca a vida contemporânea dificulta a observação multicultural na qual vivemos. São rostos e costumes que apresentam características de diferentes nacionalidades.

Foram selecionadas histórias de imigrantes que nos convidam à reflexão sobre deslocamentos populacionais, antigos ou recentes. Destacamos na mostra trajetórias em tempos variados: da virada do século XIX para o XX, após a Segunda Guerra Mundial, bem como imigrantes e refugiados que vieram se estabelecer na cidade nos últimos anos.

Serviço
Exposição:
A PRESENÇA IMIGRANTE EM SÃO GONÇALO
Abertura: 20 de janeiro de 2018 – às 11 h
Período: 20 de janeiro a 17 de março de 2018
Visitação: de segunda a sábado – das 11 às 18h – exceto feriados
Local: Espaço Cultural Correios Niterói
           Av. Visconde do Rio Branco, 481, Centro - Niterói
Informações: (21) 2622-3200

 

 

O ANACRÔNICO

A exposição “Anacrônico” trará 19 obras inéditas do artista carioca Vladimir Valente ao Espaço Cultural dos Correios de Niterói, com obras de pinturas ao óleo e acrílico sobre tela e estudos à grafite.
As obras expostas trazem um tema simbólico e reflexivo acerca do tempo linear e seus significados etéreos, a preocupação formal estética pode ser percebida em todas elas, onde a pincelada precisa reflete um mundo percebido através do olhar do artista que é influenciado pela astronomia e filosofia. Há também uma reflexão sobre o pensamento acadêmico contemporâneo.
Vladimir Valente, então, convida o público a entrar em seu mundo, por meio de seu olhar contestador da realidade e mostra transversalmente a pintura e a concepção estética de seu pensamento. A sua obra rompe com o paradigma temporal de concepção da arte contemporânea e se volta aos valores estéticos tradicionais de pintura.
A mostra ficará dois meses, no andar térreo do prédio do Palácio dos Correios, com visitação gratuita. Terá catálogo disponível e visitas educativas, que serão realizadas na companhia do próprio artista, mediante agendamento prévio dos interessados.

Serviço
Exposição:
O ANACRÔNICO
Artista: Vladimir Valente
Abertura: 20 de janeiro de 2018
Período: 20 de janeiro a 31 de março de 2018
Visitação: de segunda a sábado – das 11 às 18h – exceto feriados
Local:
Espaço Cultural Correios Niterói
           Av. Visconde do Rio Branco, 481, Centro - Niterói
Informações: (21) 2622-3200

 


No Princípio Eram Totens

A série de pinturas de grandes dimensões criada por Eduardo Werneck nos revela um pintor com pleno domínio de seus meios expressivos. O impacto visual de seus trabalhos é provocado por uma interessante e instigante relação entre a figuração e o gesto, entre a construção de uma nova paisagem e a autonomia do discurso pictórico. Por isso, as pinturas de Werneck atuam nessa fresta, nessa sensível tangência entre o figurativo e o gestual: na verdade ele pinta a pintura, ele se insere no interior de sua linguagem e constrói um discurso sensível e corajoso que o aproxima de artistas como Claude Viallat e, entre seus colegas brasileiros, com Luiz Áquila, Jorge Guinle e Cristina Canale. Trata-se de um pintor sofisticado e de grandes recursos técnicos oriundos de sua formação intelectual e de longos períodos vividosem Paris. Entrea luminosidade tropical e a elegância dos elementos compositivos da imagem, Eduardo Werneck elabora, nessa série, uma verdadeira ópera visual de intensa beleza e encantamento.

Em tempos líquidos a pintura atua como ponte entre os tempos. " No princípio eram os totens" apresenta um artista na sua plenitude, elaborando sinfonias cromáticas de intenso vigor expressivo determinadas pelos limites do gesto e do corpo. Nas obras de dimensões mais reduzidas, Werneck destaca a composição gráfica que elabora sensíveis e poderosos diálogos com o espaço. Ao mesmo tempo erudita e popular, tradicional e inovadora, as pinturas de Eduardo Werneck despertam em nós a sensação do encontro com antigas companhias que sempre se renovam. Há, nelas, uma encantadora familiaridade, algo próximo ao reencontro; entretanto um segundo olhar, mais perspicaz, revela pequenas sutilezas, momentos de paixão e de encantamento, gestos criativos que revelam a força poderosa de suas pinturas no cenário da arte contemporânea no Brasil. 

Marcus de Lontra Costa
Rio. Novembro de 2017 

SERVIÇO
Exposição de pintura
Artista: Eduardo Werneck
Abertura: 09 de dezembro de 2017
Exibição: de 11 de dezembro de 2017 a 24 de fevereiro de 2018
                 de segunda a sábado, das 11h às 18 h - exceto feriados. Entrada franca
Local: Espaço Cultural Correios de Niterói
Endereço: Rua Visconde do Rio Branco 481 - Centro - Niterói

 

Espaço Cultural Niterói

Localização:
Espaço Cultural Correios
Av. Visconde do Rio Brando, 481 - Centro
24020-004 - Niterói - RJ
Telefone: 0XX 21 2622-3200
e-mail: rjeccniteroi@correios.com.br

Visitação:
De segunda-feira a sábado, das 11h às18h (exceto feriados).
Entrada franca.